Estudar em Portugal

Acesso ao Ensino Superior Português para Filhos de Emigrantes

O Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior destina, na primeira fase, 7% das vagas aos emigrantes portugueses, familiares que com eles residam e, atualmente, aos lusodescendentes.

Além do contingente dedicado de acesso, os candidatos podem também:
– aceder ao ensino superior português com o ensino secundário concluído no país de acolhimento através da via profissionalizante;
– optar por um curso técnico superior profissional num instituto politécnico português, com possibilidade de posterior ingresso em licenciatura ou mestrado integrado;
– frequentar os mais de 1800 cursos de mestrado e 600 de doutoramento da rede de ensino superior público português;
– trabalhar em investigação nos 350 centros e laboratórios existentes em Portugal, em todos os domínios do conhecimento;
– e ainda, se já frequentam um curso superior no país de acolhimento, fazer um período de estudo em Portugal ao abrigo do programa de mobilidade Erasmus +.

A captação de estudantes emigrantes, seus familiares e lusodescendentes para as instituições de Ensino Superior portuguesas constitui um dos eixos do programa “Estudar e Investigar em Portugal”, uma iniciativa do Governo para a internacionalização do Ensino Superior em Portugal que conta com o envolvimento da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, da Agência Nacional Erasmus+ e das instituições portuguesas de Ensino Superior, através do CRUP, CCISP e APESP.

Para mais informações e datas de candidatura, visite a Direção-Geral do Ensino Superior.